Zênite

zenite

Z Ê N I T E

A olhar pro céu ela estava
de mundos tão distantes eram
de realidades tão iguais pensava
o amor infinito das estrelas neles eram

Talvez do som se ouvia
Um tilintar de copos
Um corpo que se contorcia
em meio ao caos dos cosmos

O brinde letal ele era
Experimentá-lo sem saber se devia
Amor antes dela quisera
Uma culpa em si consumia

Do zênite ele esperava
O dia em que a encontraria
Um beijo ele desejava
Dos doces lábios vermelhos ele queria

A olhar pro céu ela estava
E as estrelas a ela se abria
mal sabia ela que ele também a olhava
De seu tão misterioso mundo… um dia.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s